VI SIMELP – SIMPÓSIO MUNDIAL DE ESTUDOS DA LÍNGUA PORTUGUESA

simelp-1Na senda dos pressupostos que são inerentes à criação do Simpósio Mundial de Estudos da Língua Portuguesa (SIMELP), a sexta edição vai decorrer na cidade de Santarém, em Portugal, entre os dias 24 e 28 de outubro de 2017.

No século XXI, volta a ser palco de união de culturas em torno de uma língua que evidencia, claramente, matizes culturais distintas, conferindo-lhe uma riqueza patrimonial e identitária imensuráveis. Assim, “A União na Diversidade” tem por objetivo proporcionar momentos de reflexão, de troca de experiências, de desenvolvimento científico e pedagógico.

Continuar lendo VI SIMELP – SIMPÓSIO MUNDIAL DE ESTUDOS DA LÍNGUA PORTUGUESA

UEM deverá fazer parte de projeto interinstituicional

Nesta quinta-feira (13), a vice-reitora da UEM, Neusa Altoé, recebeu no prédio da reitoria o professor do Instituto de Letras da Universidade de Brasília (UnB), Kleber Aparecido da Silva. O intuito foi discutir futuras parcerias em um projeto interinstituicional que visa o auxílio a alunos e pesquisadores, de graduação e pós-graduação, que possuam o português como língua estrangeira ou segunda língua. A visita foi intermediada pela professora do Departamento de Letras, Ismara Eliane Vidal de Souza Tasso.
De acordo com Silva, o projeto busca evitar a defasagem de alunos e pesquisadores surdos, indígenas ou estrangeiros, que, por ventura, tenham a língua portuguesa dentro das universidades como obstáculo. A proposta converge com um momento em que o Brasil não apenas está enviando diversos estudantes e pesquisadores para o exterior, mas também recebendo, como é o caso da UEM, por meio de seu Escritório de Cooperação Internacional (ECI).
A ideia ainda é embrionária, mas, segundo o professor, poderá resultar em um Observatório Internacional de Língua Portuguesa, que formataria mecanismos para atender a demanda de aprendizado, abrangendo ensino, pesquisa e extensão, em diversos polos, espalhados pelo Brasil e pelo mundo.
A proposta surgiu a partir de um grupo de pesquisa do CNPq, e agora passa por um processo de refinamento. Segundo da Silva, os próximos passos são submeter projetos junto a órgãos de fomento e buscar parcerias para a continuação dos trabalhos.

(Fonte: UEM)