E-book Discurso, Cultura e Mídia Pesquisas em Rede- SEDISCREGIMES DE VERDADE E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS EM (CIBER)ESPAÇO. (Tácia Rocha e Ismara Tasso)

A sociedade contemporânea em rede, impulsionada pelas Novas Tecnologias da Informação (TICs) e sob o regime da biopolítica, faz circular no ciberespaço práticas discursivas de subjetivação que instituem condutas para o profissional da educação bem sucedido. Um desses segmentos é o Instituto Inspirare cujos programas tem por missão “inspirar inovações em iniciativas empreendedoras, políticas públicas, programas e investimentos que melhorem a qualidade da educação no Brasil”. Trata-se de uma vontade de verdade das novas práticas pedagógicas correspondentes às inovações na educação contemporânea, amparada por um suporte institucional, reforçada e reconduzida por saberes tecnológico e pedagógico. A investigação dos mecanismos de construção desses discursos está ancorada nos pressupostos teórico-metodológicos da Análise do Discurso franco-brasileira, especialmente pela função enunciativa derivada de Michel Foucault. Diante da condição de a “inovação” constituir a palavra de ordem da atualidade, a pesquisa, em nível de Mestrado (2015-2017), desenvolvida na Universidade de Maringá – UEM e vinculada ao GEDUEM-CNPq, é mobilizada pela questão: como o dispositivo “inteligência coletiva inovadora” institui modos de conduta para a constituição do professor inovador no ciberespaço Porvir?

(Este artigo foi discutido durante o II Seminário Nacional Discurso Cultura e Mídia, realizado em junho de 2015 na Unisul em Palhoça, Santa Catarina. O seminário reuniu os grupos de pesquisa em Análise do Discurso da região sudeste e sul do Brasil.)

Acesse o e-book na íntegra


E-book Discurso, Cultura e Mídia Pesquisas em Rede- SEDISCOS ENUNCIADOS E SUAS MÚLTIPLAS SIGNIFICAÇÕES NO CONTEXTO DO VESTIBULAR INDÍGENA. (Luana de Souza Vitoriano)

Enquanto prática discursiva, o Vestibular para os Povos Indígenas no Paraná possibilita dar visibilidade às divergências culturais e linguísticas do sujeito indígena contemporâneo e cria condições para que os enunciados elaborados pelos candidatos inscritos revelem (ou não) sua proficiência, na modalidade escrita, da Língua Portuguesa. Visamos, portanto, investigar os enunciados das produções textuais em suas múltiplas significações, por meio de uma análise linguístico-discursiva, assim sendo, nossa análise explorará os modos como são empregadas, nesses enunciados, as formas verbais (em suas características de: tempo, modo e aspecto) e as construções adverbiais, para que, posteriormente possamos traçar o gesto teórico-analítico, que consistirá em três movimentos: a) compreender de que maneira tais usos funcionam discursivamente na totalidade do texto; b) depreender as possibilidades de visualizar os funcionamentos linguísticos e discursivos que compõem os enunciados das redações; c) discutir as noções de função enunciativa, que integram tais enunciados. Para tanto, selecionamos como corpus de investigação, cinco redações produzidas pelos candidatos inscritos no II vestibular indígena, realizado no ano de 2003. O percurso teórico-analítico estabelece-se sob o regime de olhar da Análise do Discurso, priorizando, especialmente, os princípios de função enunciativa, verdade e biopolítica, erigidos por Michel Foucault (2012).

(Este artigo foi discutido durante o II Seminário Nacional Discurso Cultura e Mídia, realizado em junho de 2015 na Unisul em Palhoça, Santa Catarina. O seminário reuniu os grupos de pesquisa em Análise do Discurso da região sudeste e sul do Brasil.)

Acesse o e-book na íntegra