Este projeto constitui-se no desdobramento do projeto “Revitalização Sociocultural e Linguística em Terras Indígenas Paranaenses: Estudos sobre Políticas Educacionais e Ensino de Língua”, contemplado na Chamada MCTI/CNPq Nº 14/2014, a ser desenvolvido em parceria interinstitucional UEM/UEPG. Tem por objetivo investigar os regimes de regularidade de uso da Língua Portuguesa como adicional e estrangeira, nas modalidades oral e escrita, em práticas escolares de letramento, pré-acadêmicas e universitárias, cujas condições de uso conferem proficiência ao sujeito que a emprega nessas circunstâncias. Sob tal conjuntura, busca-se compreender, nas interfaces entre língua, história e memória, o status que a língua portuguesa tem no cenário brasileiro e também no moçambicano. Isso porque, no quadro das estatísticas mundiais, o português ocupa uma posição privilegiada, uma vez que esse idioma está entre as dez línguas mais faladas no mundo; condição favorável à busca, na atualidade, para que ela se estabeleça internacionalmente como língua “de negócio ou de trabalho”. O investimento ascendente visa atender a demandas atuais, as quais, ancoradas em princípios da Diversidade das Expressões Culturais, da lusofonia e das políticas linguísticas, abarcam as áreas econômicas, culturais e educacionais, fator de se intensificarem os debates sobre o tema, bem como sobre a implementação de ações futuras, dadas as projeções e expectativas que se apresentam para a língua portuguesa nos próximos 20 anos. Dessa forma, cria-se a necessidade de mobilizações institucionais nacionais e internacionais em prol de estender o idioma para além-fronteiras, e, sobretudo, de reflexões acerca do atual panorama e devir para o ensino e para as questões de letramento e de avaliação da proficiência em língua portuguesa. Perspectiva que assumimos no presente projeto, em razão de nosso envolvimento com a “Comissão Universidade para os Índios” – CUIA (SETI/UEM), pesquisas em andamento, sob a nossa orientação no Programa de Pós-graduação em Letras (Mestrado/Doutorado), com enfoque no letramento/proficiência dos sujeitos indígenas e a formação de professores de língua portuguesa em Moçambique (Intercâmbio Brasil/Moçambique). Assim, as demandas existentes na área educacional e em contextos multilíngues justificam o desenvolvimento desta pesquisa, subsidiada pelas teorias da Análise do Discurso, da Semântica, dos Novos Estudos do Letramento, da Sociolinguística, da Linguística e da Gramática Funcional, que abarcará as questões de letramento escolar, formação de professores e modos de avaliar a proficiência em língua portuguesa, bem como aquelas relacionadas com as regiões de fronteira, o que implica a atuação das universidades nesses processos, por meio da pesquisa, do ensino e da extensão. Para isso, contamos com os acervos disponíveis nos Bancos de Dados da Comissão Universidade para os Índios – CUIA/SETI/UEM, do Grupo de Estudos em Análise do Discurso da UEM – GEDUEM-CNPq, das escolas estaduais das Terras Indígenas Ivaí, em Manoel Ribas (PR-Brasil) e Faxinal, em Cândido de Abreu (PR-Brasil) e da Universidade Pedagógica – Delegação de Quelimane – e do Instituto de Formação de Professores –, na província da Zambézia, em Moçambique.

Vigência: 2014-2017

Coordenador(a): Profa. Dra. Ismara Eliane Vidal de Souza Tasso