A pesquisa focaliza uma série enunciativa que compõe parte material do Portal Projeto Portinari e Museu Casa de Portinari e mobiliza um gesto de leitura que, sob a alcunha de uma Análise de Discurso, conflui na relação (in)tensa entre os postulados de Michel Pêcheux e de Michel Foucault, assim como em especulações teóricas gestadas a partir de formulações advindas de outros campos de saberes, a fim de demonstrar como, no modo de constituição de suas modalidades enunciativas, tais arquiteturas hipermidiáticas integram-se a estratégias de saber-poder que perturbam a identidade dos enunciados na prática de sua leitura, inscrevendo-os em outra ordem discursiva, um deslizamento da ordem do artístico para a ordem do político em demandas contemporâneas do social. A hipótese de que, ao ter sua identidade perturbada pelos processos técnicos, a materialidade do artístico, nas coerções sofridas pela prática de leitura para qual é gestada, é tratada como a condição de possibilidade de se acolher os efeitos de uma política de acessibilidade cultural no espaço virtual, permitiu situar o modo de composição do olhar as discursividades nas sociedades democráticas, pontuando a relação das novas tecnologias como condição de emergência da materialização dos discursos sob modalidades enunciativas diversas. Tal reflexão apontou a Inovação Tecnológica como dispositivo por meio do qual constitui-se uma trama heterogênea e heterotópica entre a materialidade do artístico, as instituições museológicas, as hipermídias de divulgação, as arquiteturas virtuais e as medidas de segurança para a manutenção e funcionamento dessa engrenagem. Preliminarmente, consideramos que o processamento técnico da materialidade do artístico e seu modo de circulação pelo espaço virtual alteram a relação institucional dos enunciados, os quais, tal como um caligrama, atestam as linhas de ruptura e instituem um espaço de contradição entre os campos da arte e da política. O dispositivo da Inovação Tecnológica constitui as linhas de visibilidade que compõem o arquivo discursivo em análise que, por uma lado, formaliza o espaço virtual como um campo heterotópico de utilização dos enunciados da ordem do artístico, promovendo um efeito de democratização dessas materialidades, enquanto espólios da produção cultural nacional – o que supomos tratar-se de uma nova tecnologia de funcionamento da governamentalidade no que tange a uma política de acessibilidade cultural. Por outro, os efeitos da reprodutibilidade da obra de arte geridos pelas demandas do dispositivo da Inovação Tecnológica sustentam, nas invisibilidades enunciativas, as mutações desse mesmo dispositivo, razão para que os enunciados que daí derivam mantenham relações dissimétricas de poder entre o ter acesso às reproduções das obras de arte em detrimento das obras em si.

Coordenador(a): Jefferson Gustavo dos Santos Campos – Orientadora: Profa. Dra. Ismara Eliana Vidal de Souza Tasso