DEFESA DE DOUTORADO DO PESQUISADOR DAVID ANTONIO

David António (http://lattes.cnpq.br/2966744779379837)

O professor David António, docente na Universidade Pedagógica, Delegação de Quelimane (Moçambique), veio para a Universidade Estadual de Maringá no ano de 2013 para realizar sua pesquisa de Doutorado, na linha de Estudos do Texto e do Discurso. O doutorando pertence a um projeto de internacionalização do PLE-UEM e, também, do GEDUEM, que visa expandir e incentivar a pesquisa linguística acadêmico-científica.

A defesa de sua tese acontecerá no dia 19 de Fevereiro, às 14 horas, na sala 203 do Bloco G34.

Seu trabalho recebe por título “REGIMES DO OLHAR E DO DIZER O PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ENSINO E DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NOS INSTITUTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM MOÇAMBIQUE”.

A banca que comporá sua defesa receberá os professores: 

Profª. Drª. Ismara Eliane Vidal de Souza Tasso (Presidente – Orientadora de tese – UEM / PLE), Prof. Dr. Pedro Luis Navarro Barbosa (Membro do Corpo Docente – UEM / PLE), Profª. Drª. Roselene de Fátima Coito (Membro do Corpo Docente – UEM / PLE), Profª. Drª. Letícia Fraga (Membro Externo – UEPG / Ponta Grossa-PR), Prof. Dr. Kleber Aparecido da Silva (Membro Externo – UnB / Brasília-DF).

Confira o resumo da Tese.

ANTÓNIO, David. Regimes do olhar e do dizer o Português como língua de ensino e de formação de professores nos Institutos de Formação de Professores em Moçambique. 2018. Doutorado (Doutorado em Letras). Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2018.

RESUMO

Visamos compreender como o português europeu (PE) em Moçambique, língua oficial desde a proclamação da Independência Nacional do país em 1975, e adotado, igualmente, como língua de ensino e de formação de professores nos Institutos de Formação de Professores (IFPs) é um dispositivo de segurança no exercício do biopoder e da biopolítica (FOUCAULT, 1999b). Sob tais regimes de funcionamento, a prática linguístico-social revela-se com a resistência ao uso de enunciados do PE, tendo em vista o desenvolvimento crescente da variedade do português de Moçamique (PM) em relações de forças com o PE, enquanto norma-padrão adotada, nó górdio para o ensino e formação de professores do/em português. Tais questões nos levaram à seguinte problematização: sob os regimes impostos pelas tecnologias do biopoder e da biopolítica, como os dispositivos  pacto de segurança e  exclusão pela língua instituem condutas que os colocam em relações de forças e contraditórias acerca do funcionamento do PE e a variedade do PM para o ensino e a formação de professores nos IFPs no país, dificultando a implementação de práticas pedagógicas “uniformizadoras” como condição de possibilidade para o ensino de/em língua portuguesa no país, bem como o aprimoramento de políticas de inclusão social? Assim, nosso objetivo cinge-se em compreender o exercício de tais tecnologias, regidas pelos dispositivos pacto de segurança e exclusão pela língua, na instituição das condutas em referência. Nesse sentido, o escopo teórico-metodológico da pesquisa norteia-se pelos fundamentos da Análise do Discurso franco-brasileira concebidos por Michel Foucault, articulados aos preceitos da Linguística Aplicada Crítica (PENNYCOOK, 2003), com uma vertente introspectiva (CORACINI, 2003) e padrões qualitativo-quantitativos, em interação com os Estudos Culturais e de Identidade (SILVA, 2000; CAVALCANTI, 2006; DIAS, 2009), Estudos Pós-modernos (CORACINI, 2003; SOUSA SANTOS, 2008), Pós-coloniais (LOOMBA, 1998; PENNYCOOK, 2003; MAKONI E MEINHOF, 2006; SOUSA SANTOS, 2008) e com o contexto (socio) linguístico moçambicano (GONÇALVES, 2010; LOPES, 2004; DIAS, 2009; FIRMINO, 2005; CHIMBUTANE, 2012). Nesse âmbito, constitui desafio para esta pesquisa a abordagem de aspectos linguístico-discursivos de busca de regularidades nas práticas discursivas que dificultam a implementação de uma prática pedagógica “uniformizadora”. Desse modo, o nosso corpus constitui-se de práticas (não) discursivas relacionadas ao ensino e a formação de professores nos IFPs – recolhemos dados sobre práticas linguístico-metodológicas de formandos e formadores inerentes ao ano lectivo de 2015 em quatro IFPs da província da Zambézia em Moçambique e de dispositivos que legislam a formação nessas instituições. Portanto, os resultados possibilitam a ocorrência das posições do “sujeito heterogêneo da ilusão de completude” e do “sujeito heterogêneo da incompletude” em sala de aula.  Por sua vez, tal heterogeneidade condicionou a concepção de outras posições do sujeito, como é o caso dos sujeitos de “língua imaginária”, do “pertencimento; da língua fluida-língua materna”, de “ilusão de identidade”, da ““língua praticada” e do pertencimento”, da “inclusão e de resistência à exclusão da “língua praticada””, da “inclusão e de resistência à exclusão da “língua e cultura indígenas””, do “invisível” e da “diferença/insegurança”, bem como a concepção da “língua imaginária-língua oficial”, “língua imaginária: língua de ilusão de identidade-língua nacional”, “língua fluida:  praticada e do pertencimento; língua franca”, “língua fluida: língua de inclusão e de resistência à exclusão da “praticada”” e “língua fluida: língua de inclusão e de resistência à exclusão das “indígenas””.

Palavras-chave: Português europeu/Moçambique; formação de professores em Moçambique; acontecimento; identidade linguística; práticas discursivas.

The following two tabs change content below.

Luana Vitoriano

Doutoranda em Letras, pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), tem Estudos Linguísticos por área de concentração e Estudos do Texto e do Discurso por linha de pesquisa. Mestra em Letras, na área de Linguística (2016) e graduada em Letras (2013) pela UEM. Assume por eixos temáticos de pesquisa o discurso, a língua, a proficiência em línguas, procedimentos biopolíticos de inclusão e exclusão, políticas linguísticas e afirmativas. É pesquisadora do Grupo de Estudos em Análise do Discurso da Universidade Estadual de Maringá (GEDUEM/CNPq).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *